Comunicação em evento científico
Entre o Determinismo Tecnológico e o Construtivismo Social: Uso do telemóvel e bem-estar subjetivo en- tre os jovens portugueses
Tiago Lapa (Lapa, T.);
Título Evento
XII Congresso Português de Sociologia
Ano (publicação definitiva)
2023
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

N.º de citações: 0

(Última verificação: 2024-04-22 12:14)

Ver o registo no Google Scholar

Abstract/Resumo
Uma preocupação inicial sobre o impacto social das tecnologias digitais tem sido estabelecer uma relação entre o que é considerado um “uso problemático” (cuja definição pode ser considerada como socialmente construída e cientificamente discutível) e potenciais impactos negativos sobre o capital social, sentimentos de solidão, problemas pessoais e bem-estar subjetivo dos utilizadores (Kraut et al. 1998). A literatura tem mostrado associações entre um putativo uso problemático das tecnologias digitais e impactos negativos na vida social e pessoal dos utilizadores (Muusses et al., 2014), o que por sua vez tem promovido algum discurso académico inclinado para o determinismo tecnológico (Wyatt, 2018) e o pânico moral a ele associado (Neves, 2013). Tem-se reconhecido fatores psicossociais que precedem a influência dos dispositivos digitais (Zhou, 2021), mas adotar uma postura social construtivista como uma compreensão alternativa do uso da tecnologia pode neutralizar o efeito da tecnologia como um todo. Pode-se argumentar que o determinismo tecnológico é uma verdade parcial, uma vez que as características específicas das tecnologias também importam (MacKenzie e Wajcman, 1999). Recorrendo a uma amostra de 600 casos de jovens adultos portugueses, selecionados de acordo com quotas proporcionais por região, dimensão do habitat, idade e género, consideramos, por um lado, como se encontram socialmente distribuídos os níveis de bem-estar de acordo com fatores como género, educação, ocupação e composição familiar e, por outro lado, analisamos o papel da satisfação com as dimensões centrais da vida (família, amigos, estudo ou trabalho e tempo livre) como variáveis de controle para os efeitos potenciais dos tipos de uso do telemóvel. Com inspiração na abordagem de “affordance” (que reconhece possibilidades para a ação) e explorando o peso relativo dos fatores sociais e das práticas tecnológicas no bem-estar subjetivo dos inquiridos, consideramos a hipótese de que a insatisfação com as dimensões da vida promove uma utilização mais intensa e putativamente “problemática” dos dispositivos móveis. Com este suporte empírico, esperamos contribuir para o debate sobre os efeitos das tecnologias digitais e móveis e para a compreensão parcial do nexo causal que a envolve.
Agradecimentos/Acknowledgements
Fundação la caixa
Palavras-chave
Telemóvel,Determinismo tecnológico,Bem-estar subjetivo,Jovens