Capítulo de livro
Miguel Bombarda e Júlio de Matos: o nascimento da psiquiatria em Portugal
Ana Maria Pina (Pina, Ana Maria);
Título Livro
Metamorfoses da cultura. Estudos em homenagem a Maria Carlos Radich
Ano
2013
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
--
Abstract/Resumo
O texto debruça-se sobre a construção da psiquiatria, como especialidade médica, na segunda metade do século XIX, em Portugal. Rilhafoles é o primeiro hospital especificamente destinado a receber doentes psiquiátricos, aberto em 1848. Miguel Bombarda terá um papel decisivo na melhoria das condições de assistência e tratamento dos doentes ao assumir a direcção do hospital em 1892. Na Europa existem duas grandes escolas psiquiátricas, a francesa e a alemã. A primeira vive à sombra da teoria da degenerescência de Morel e discípulos, enquanto a segunda cria um modelo inovador de abordagem das doenças mentais graças ao dinamismo de um vasto corpo profissional e académico, espalhado pelos territórios de língua alemã. Embora Portugal se mantenha na órbita cultural e científica da França, Miguel Bombarda foi um admirador confesso da psiquiatria alemã, divulgando-a em Portugal através do jornalismo médico, colóquios, congressos e cursos de psiquiatria “livres”, ministrados fora do âmbito académico, uma vez que a psiquiatria só ganhou o estatuto de disciplina médica aquando da fundação da Universidade de Lisboa, após a implantação da República. A morte acidental de Miguel Bombarda, nas vésperas do 5 de Outubro, obriga à sua substituição por Júlio de Matos. Apesar dos contributos inegáveis deste para a consolidação da psiquiatria em Portugal, esta fica refém da escola de psiquiatria francesa e dos seus seguidores italianos, mantendo-se afastada durante, pelo menos, uma década da revolução operada pela psiquiatria alemã no entendimento das doenças mentais.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Miguel Bombarda, Júlio de Matos, Psiquiatria, Portugal