Artigo em revista científica
O RAP de intervenção social em Maputo, Moçambique
Luca Bussotti (Bussotti, L.); Júlio Chinguai (Chinguai, J.);
Título Revista
Estudos de Sociologia
Ano
2020
Língua
Português
País
Brasil
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Títulos Alternativos

(Inglês) Social intervention RAP in Maputo, Mozambique

Abstract/Resumo
Assim como em muitos outros países, em Moçambique também o rap foi introduzido como fruto de importação dos Estados Unidos, por volta dos anos 1980, para depois tornar-se género musical com conteúdos originais e com impacto considerável junto, sobretudo, às camadas juvenis urbanizadas. A partir de 2002-2003, o rap moçambicano assumiu duas tendências claramente distintas, uma – minoritária em termos de artistas que a praticam, mas de maior significado artístico e social – comprometida e que conseguiu desenvolver uma contundente crítica política; a outra, mais virada para assuntos comerciais e de fácil fruição. Mediante uma reconstrução histórica baseada, essencialmente, em fontes orais e, uma segunda parte, centrada em entrevistas e na análise do discurso de algumas canções de rappers moçambicanos engajados, o artigo aqui apresentado pretende analisar como é que este género musical se difundiu na cidade de Maputo e quais as suas tendências atuais. Como base teórica para sustentar este estudo foi escolhida a teoria da indústria cultural de Adorno, complementada pela reinterpretação de Peterson e Berger, associada às formas de controlo que regimes a democracia limitada, tais como o moçambicano, exercem na liberdade de expressão, inclusivamente na esfera artística.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Engajamento,História,Indústria cultural,Controlo político
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UIDB/03122/2020 Fundação para a Ciência e a Tecnologia