Periódico generalista
Pode haver uma Lusofonia ou devemos mudara para e só PLOP?
Eugénio Costa Almeida (Almeida, E. C.);
Título Revista/Livro/Outro
Novo Jornal
Ano
2020
Língua
Português
País
Angola
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
(...) polemizar um tema que, já de si, é e continua a ser controverso apresentei uma análise sobre o aparecimento da expressão “Lusofonia” e de quem foram ou terão sidos os seus criadores e, ou principais teorizadores desta expressão que seguia e segue a versão francesa de línguas-mater: francofonia (francesa), anglofonia (inglesa) hispanofonia (hispânica ou castelhana), russofonia (russa); em contraponto aos países de língua inglesa que, pura e simplesmente se definem por «english speakers» ou «portuguese speakers». Só que ao contrário do que defendem os francófonos, o português só é língua materna de Portugal e do Brasil. Os países africanos de expressão oficial portuguesa e os timorenses têm línguas nacionais que devem ser consideradas como as realmente maternas; ainda que no Brasil há quem defenda que o guarani, tal como no Paraguai, seja uma língua materna. (Novo Jornal, edição 655, de 2.Outubro.2020, pág. 37)
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
PALOP,Língua Portuguesa,PLOP,CPLP,Lusofonia