Educação Doutoral em Portugal: Que Futuro?
Educação Doutoral em Portugal: Que Futuro?
Descrição

A educação doutoral tem sido palco de mudança em Portugal. Os programas de doutoramento têm sofrido mudanças estruturais e institucionais, resultando em novos e diversificados desenhos educativos e de investigação. Alguns dos debates mais proeminentes em torno destas mudanças recentes debruçam-se sobre programas concebidos à medida de indivíduos versus cursos obrigatórios e previamente estruturados; competências básicas de investigação versus competências transferíveis; duração do grau e prazos de conclusão esperados; diferentes formas de apoio financeiro; práticas e programas de apoio inovadores; tipos de orientação académica e oportunidades de formação; e o impacto da digitalização. Outras tendências incluem a expansão de parcerias de colaboração e intercâmbios internacionais tais como parcerias universidade-indústria, cooperação com outros setores da sociedade e associações internacionais entre universidades similares. No centro destas mudanças estão as motivações, experiências, propósitos e aproveitamento dos alunos. Ligadas aos propósitos e aproveitamento dos alunos, estão as avaliações de qualidade e acreditação, tais como objetivos e fins educativos, importância e relevância do programa e rankings universitários, bem como a futura direção da universidade, considerando a educação doutoral no resto do mundo.

Atuais transformações na educação doutoral a serem analisadas:
Programas de doutoramento e estruturas de investigação – no âmago da educação doutoral está o elo inquestionável à investigação. A investigação implica financiamento, atividades de investigação e integração num centro de investigação dotado de equipamento e infraestrutura. O sistema nacional de ciência e tecnologia inclui diferentes estruturas de investigação (sendo as mais relevantes os centros de I&D e Laboratórios Associados) que produzem e transmitem conhecimento. Neste sentido, a FCT realiza avaliações regulares, tanto dos centros de I&D como dos Laboratórios Associados, em parceria com painéis internacionais de peritos. De um modo geral, estas avaliações definem parâmetros e ajudam a identificar os contextos da educação doutoral. Estas avaliações também contribuem para estratificar e hierarquizar o sistema da ciência, podendo levantar questões de qualidade. O contexto institucional da educação doutoral – tradicionalmente, os programas de doutoramento têm sido oferecidos pelas universidades. Estes programas têm-se expandido e diversificado de modo a incluírem formatos mais variados e heterogéneos, havendo mais instituições de ensino superior a expressar um interesse em oferecer cursos de doutoramento. À medida que a agenda de investigação em diferentes instituições de ensino superior se tem expandido, novos programas de doutoramento têm sido desenvolvidos. Contudo, poderão existir diferenças em termos dos recursos financeiros e de investigação, bem como das expetativas futuras de inserção no mercado de trabalho. As diferenças poderão incluir tipos distintos de investigação (fundamental ou aplicada) e o doutoramento de investigação ou profissional.
A organização e estrutura dos programas de doutoramento – tradicionalmente, a educação doutoral promovia formas flexíveis de aprendizagem estruturadas em torno da relação “mestre-aprendiz” ou “orientador-aluno”. Cada vez mais, mudanças na estrutura e no conteúdo dos programas têm resultado em requisitos académicos crescentes e módulos curriculares mais estruturados. A tendência para a uniformização dos programas de doutoramento, com mais disciplinas e aulas, tem-se acentuado com a publicação de regulamentos, linhas orientadoras e procedimentos. Alguns dos requisitos pretendem criar competências mais alargadas, assim como maior ‘relevância’ e ‘qualidade’, mediante a exposição interdisciplinar e metodológica a domínios complementares. Isto implica a análise das principais tendências em termos de apresentação de teses, orientação académica, requisitos curriculares, mobilidade, internacionalização, financiamento, plano de estudos e taxas de conclusão. As teses de doutoramento assumem agora diferentes formatos – além da tradicional monografia ou livro, a compilação de artigos, por exemplo. No todo, a organização de programas de doutoramento mudou de forma radical, levantando questões sobre a estrutura global destes programas. À medida que o formato e conteúdo dos programas muda, é provável que se levantem questões sobre as diferentes vertentes oferecidas, a académica e a profissional – mais opções, maior variedade de disciplinas, maior diversidade nos programas, maior experiência internacional, etc.

Parceiros Internos
Centro de Investigação Grupo de Investigação Papel no Projeto Data de Início Data de Fim
CIES-Iscte Educação e Ciência Parceiro 2022-06-03 2023-06-03
Parceiros Externos

Não foram encontrados registos.

Equipa de Projeto
Nome Afiliação Papel no Projeto Data de Início Data de Fim
Teresa Patrício Professora Associada (DCPPP); Investigadora Integrada (CIES-Iscte); Coordenadora Global 2022-06-03 2023-06-03
João M. Santos Investigador Integrado (CIES-Iscte); Investigador 2022-06-03 2023-06-03
Susana da Cruz Martins Professora Auxiliar (DCPPP); Investigadora Integrada (CIES-Iscte); Investigadora 2022-06-03 2023-06-03
Patrícia Santos Bolseira de Doutoramento (CIES-Iscte); Assistente de Investigação 2022-06-03 2023-06-03
Financiamentos do Projeto

Não foram encontrados registos.

Outputs (Publicações)

Não foram encontrados registos.

Outputs (Outros)

Não foram encontrados registos.

Ficheiros do projeto

Não foram encontrados registos.

Educação Doutoral em Portugal: Que Futuro?
2022-06-03
2023-06-03