Autor de livro
Arquitetura Neocolonial no Brasil: entre o pastiche e a modernidade
Carlos Kessel (Kessel, C.);
Abstract/Resumo
O movimento que passou a história da arquitetura brasileira como "Estilo Neocolonial", hoje quase esquecido, gozou de uma preeminência considerável na cena cultural do país. Nascido da reação contra o ecletismo dominante nos primeiros anos do século XX, o Neocolonial encontrou sua justificação na ânsia de buscar, nas formas arquitetônicas tradicionais do Brasil, uma arquitetura que pudesse ser definida como genuinamente autóctone. A idéia, propugnada em artigos e conferências pelos arquitetos Ricardo Severo e Araújo Viana, foi encampada por vários intelectuais e encontrou seu mais famoso defensor na figura de José Marianno Filho, cuja atuação permaneceria fortemente identificada com o movimento durante as décadas de 20 e de 30. De reação de vanguarda ao que era visto como excesso de estrangeirismo eclético na arquitetura que se fazia no Brasil, o Neocolonial transmuta-se em resistência ao modernismo que chega ao Brasil inspirado nas idéias de Le Corbusier. Isto se dá a partir de uma recuperação seletiva de elementos arquitetônicos que denota a glorificação da cultura produzida pela aristocracia rural do Brasil-Colônia, vista como expressão máxima da nacionalidade.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Arquitetura Neocolonial - História do Brasil - Cultura - Modernismo - Patrimônio - Nacionalismo
  • História e Arqueologia - Humanidades
  • Outras Humanidades - Humanidades

Com o objetivo de aumentar a investigação direcionada para o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável para 2030 das Nações Unidas, é disponibilizada no Ciência-IUL a possibilidade de associação, quando aplicável, dos artigos científicos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Estes são os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável identificados pelo(s) autor(es) para esta publicação. Para uma informação detalhada dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, clique aqui.