Publicação em atas de evento científico
Ficar de fora das (novas) oportunidades: um retrato da população pouco escolarizada à margem dos processos de educação formal
Vanessa Carvalho da Silva (Carvalho da Silva, V.); Patrícia Ávila (Ávila, P.);
X Congresso Português de Sociologia
Ano
2018
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
--
Abstract/Resumo
A presente proposta de comunicação resulta da investigação que integra o projeto do Doutoramento em Sociologia que se encontra em curso, e que tem como objetivo desenvolver e aprofundar o conhecimento sociológico sobre os contextos, processos, disposições e as reflexividades dos adultos pouco escolarizados que não retomaram a educação formal. A centralidade do conhecimento e da escolaridade nas sociedades atuais contrasta com o (ainda) persistente défice de qualificações da população adulta em Portugal, historicamente dependente de políticas transitórias (Araújo,2015). Apesar de esforços recentes (Iniciativa Novas Oportunidades ), sublinham-se os riscos de uma evolução exígua (Capucha, 2013) e alerta-se para a existência de um segmento da população que tem ficado à margem destes processos (Silva, 2015). Metodologicamente orientada por uma abordagem mixed method, o foco desta apresentação será a sua componente extensiva, que pretende mapear o fenómeno, captando as suas práticas e os seus contextos, culminando na construção de uma tipologia capaz de dar conta dos perfis deste segmento da população. A comunicação estará organizada em quatro momentos distintos. Num primeiro momento retoma-se a reflexão sobre os desafios metodológicos de uma abordagem mixed method, explorando a pertinência da relação entre os métodos quantitativos (análise estatística) e qualitativos (entrevista biográfica) nesta investigação, recuperando alguns dos contributos encontrados nos debates em torno desta discussão (Brannen, 1992; Bryman, 2012; Costa, A. F. et al, 2013). Num segundo momento visa-se a apresentação dos estudos mais relevantes sobre a Educação e Formação de Adultos, a partir dos quais foi feito um levantamento das principais conclusões sobre o que implica (ou significa) ‘ser-se adulto e pouco escolarizado’ nas sociedades atuais. O terceiro momento compreenderá a apresentação dos estudos selecionados como base estatística da componente extensiva desta investigação: Inquérito à Educação e Formação de Adultos (IEFA), do Instituto Nacional de Estatística (INE), recolhido ao longo de uma década, integrando os dados recentes da sua terceira edição (2016), e o estudo extensivo desenvolvido em 2016 para a EDULOG, “Que perceções têm os portugueses sobre o valor da educação”. Num quarto e último momento, procurar-se-á, numa primeira instância, listar alguns dos desafios metodológicos desta componente da investigação, reflectindo sobre a seleção das variáveis a considerar para o mapeamento do fenómeno, e sobre a própria análise que serviu de base à construção da tipologia que deu conta dos perfis deste segmento da população. Assumindo este quarto momento como a conclusão desta comunicação serão, por fim, apresentados os perfis dos adultos (portugueses) pouco escolarizados que não retomaram processos de educação formal.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Adultos pouco escolarizados,Aprendizagem ao longo da vida,Educação formal de adultos,Desigualdades sociais
Registos de financiamentos
Referência de financiamento Entidade Financiadora
UID/SOC/03126/2013 Fundação para a Ciência e a Tecnologia