Comunicação em evento científico
A visão da imprensa sobre Ricardo Jorge e a Peste Bubónica no Porto em 1899
Maria Antónia Pires de Almeida (Almeida, Maria Antónia);
Título Evento
Saúde e Higiene Públicas: Património em Debate. II Encontro da Rede Património Ciência e Saúde
Ano
2021
Língua
Português
País
Portugal
Mais Informação
Web of Science®

Esta publicação não está indexada na Web of Science®

Scopus

Esta publicação não está indexada na Scopus

Google Scholar

Esta publicação não está indexada no Google Scholar

Abstract/Resumo
Em períodos de crise sanitária grave, como a do Porto em 1899, quando em junho a peste bubónica atacou as populações junto à ribeira, as imagens das epidemias na imprensa permitem-nos conhecer o estado dos conhecimentos científicos e avaliar como se fazia a divulgação das ciências da saúde e da investigação científica a um público vasto e não especializado. Uma base de dados de notícias, artigos desenvolvidos e anúncios recolhidos nos jornais diários revela-nos o conhecimento médico e farmacêutico do final do século XIX, o modo como era transmitido e as soluções apresentadas pelas autoridades sanitárias. Em todo este processo destaca-se a atuação de Ricardo Jorge, Professor Titular da cadeira de Higiene e Medicina Legal da Escola Médico-Cirúrgica do Porto, autor de uma das obras fundamentais para a compreensão dos problemas sanitários da cidade: Demografia e Higiene da Cidade do Porto: clima, população, mortalidade, e na altura Diretor dos Serviços Municipais de Saúde e Higiene da Cidade do Porto e do Laboratório Municipal de Bacteriologia. O seu diagnóstico e a atuação firme no combate à epidemia valeram-lhe o reconhecimento internacional de numerosos médicos e cientistas que se deslocaram ao Porto, numa ação de turismo científico que resultou em publicações deveras elogiosas para Ricardo Jorge. Contudo, apesar do apoio da comunidade médica e científica, a população do Porto e as autoridades municipais sentiram-se ultrajadas pela intromissão das autoridades nacionais na vida local, especialmente após a imposição do cordão sanitário. Instalou-se um clima de instabilidade e violência. Ricardo Jorge acabou por se demitir e mudou-se para Lisboa em outubro de 1899, onde foi nomeado Inspetor-Geral dos Serviços Sanitários do Reino e lente de Higiene na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa, além de membro do Conselho Superior de Higiene e Saúde. O combate contra a disseminação da epidemia estava ganho e a doença foi considerada extinta em janeiro de 1900.
Agradecimentos/Acknowledgements
--
Palavras-chave
Ricardo Jorge,peste,Porto,jornais
  • Ciências da Saúde - Ciências Médicas
  • História e Arqueologia - Humanidades

Com o objetivo de aumentar a investigação direcionada para o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável para 2030 das Nações Unidas, é disponibilizada no Ciência-IUL a possibilidade de associação, quando aplicável, dos artigos científicos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Estes são os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável identificados pelo(s) autor(es) para esta publicação. Para uma informação detalhada dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, clique aqui.