Ciência-IUL    Autores    Clara Carvalho    Projetos de Investigação
Projetos de Investigação
Os direitos sexuais e reprodutivos e as resistências culturais com base no género na África Ocidental: desigualdade, violência e ilegitimidade.
Informação do Projeto
2018-09-03
2021-09-03
Parceiros do Projeto
Avaliação Externa à Intervenção da Cooperação Portuguesa no Sector da Educação (Pré-Escolar, Básico e Secundário) na Guiné-Bissau (2009-2016) - Prestação de serviços
Informação do Projeto
2016-09-19
2018-12-31
Parceiros do Projeto
Programa Académico Multisectorial para o combate e prevenção ao Corte/Mutilação Genital Feminina (C/MGF)
O Programa Académico Multisectorial para o combate e prevenção ao Corte/Mutilação Genital Feminina (C/MGF) é um projeto inovador com o objetivo de promover a sensibilização, conhecimentos e competências dos futuros profissionais em contacto com as possíveis vítimas do C/MGF. Para tal, uma equipa pluri-disciplinar de professores e investigadores desenvolveram um Guia Multisectorial para a Formação Académica, que estará brevemente disponível em 6 línguas.
Informação do Projeto
2016-02-01
2018-01-31
Parceiros do Projeto
AMITIE CODE (Capitalizing On DEvelopment)
O AMITIE CODE (Capitalizing On Development) é um projeto financiado pela Comissão Europeia que envolve entidades públicas e ONGs provenientes de seis Países europeus, unidos pelo importante objetivo de conscientizar e sensibilizar os cidadãos sobre a migração, o desenvolvimento e os direitos humanos e para formar adequadamente atores-chave como os professores e os funcionários das entidades locais. Para nós, a mudança começa pelas comunidades locais e com o envolvimento dos jovens na promoção dos direitos humanos e na adoção de estilo de vida sustentáveis.
Informação do Projeto
2015-05-20
2018-05-19
Parceiros do Projeto
Políticas de saúde e práticas terapêuticas: sofrimento e estratégias de cura dos migrantes na área da Grande Lisboa
A vulnerabilidade é uma característica reconhecida socialmente como sendo comum aos grupos de migrantes. Os problemas de saúde são agravados por uma deficiente inserção comunitária, por níveis sociais e económicos mais baixos que o nível médio do país de acolhimento, por barreiras linguísticas e culturais, etc. Apesar do reconhecimento destas características gerais e de terem sido feitos esforços para a sensibilização desta população face aos riscos das doenças infecto-contagiosas (como a tuberculose, as hepatites e a SIDA), em Portugal não foi desenvolvida, até ao momento, uma reflexão antropológica aprofundada sobre o processo de encontro entre diferentes saberes e práticas da cura ligados a contextos históricos e culturais específicos, nem uma análise cuidada das oportunidade e dos riscos que derivam do pluralismo médico. A exigência de desenvolver uma reflexão acerca dos percursos de cura dos migrantes é particularmente forte numa área como Lisboa, cujo espaço urbano é também o espaço da coexistência de mundos e lógicas autónomas, campo de mudanças dramáticas, de graves contrastes sociais e lutas de poder, de novas dinâmicas identitárias, de formas imprevisíveis de subjectividade individual. Por um lado, os técnicos de saúde encontram-se cada dia mais envolvidos em situações onde está presente um gradiente de alteridade cultural que corre o risco de tornar inaplicáveis e inadequados os processos rotineiros de intervenção clínica, ou pelo menos de diminuir bastante a sua eficácia. Por outro lado, os migrantes encontram-se muitas vezes desorientados no confronto com uma "moral" biomédica - definidora de risco, doença, saúde e cura, e condicionante das representações e percepções do corpo - que muitas vezes para eles não tem sentido. Face à exigência de uma explicação, a impotência das interpretações da biomedicina é vivida pelos migrantes com desconforto. O projecto que propomos localiza no sofrimento, nas emoções e no descontentamento dos migrantes os objectos pr...
Informação do Projeto
2007-09-01
2011-02-28
Parceiros do Projeto